Crítica | Thor: Ragnarok – Duelo de titãs acaba em comédia do ano

Tragicomédia reestrearam Thor e Hulk no Universo Marvel

Passados 2 anos após a Guerra Civil, eis que chegamos ao terceiro filme solo de Thor nos cinemas e temática do Geekview. Fui assistir com uma certa expectativa, porém com pé atrás devido ao misto de críticas negativas chamando o filme de ‘stand-up’, e as positivas afirmando como obra-prima do humor, inclusive pelo Rotten Tomatoes.

Pois bem, vamos ao início do filme, que já em seus primeiros minutos traz Odinson bem ao estilo Deadpool. Logo pensei: será essa pegada o filme todo? Teria competência de repetir com sucesso esse estilo? Vale lembrar que os personagens Thor, Loki e Hulk estavam ‘jogados para escanteio’ no universo Marvel e escalaram um diretor que tem como maior sucesso um documentário de comédia falando sobre vampiros “O Que Fazemos Nas Sombras“, o qual não aguentei ver nem 20 minutos de filme…E se eu te falar que deu muito certo?! Pois é, temos um filme bem icônico e destoante de outras obras do MCU (Marvel Cinematic Universe).

thor ragnarok

Beleza de filme!

Uma clara e merecida homenagem a Jack Kirby, provavelmente o nome de maior importância para os quadrinhos da Marvel serem o que são hoje, além de criador do Thor e dos Vingadores. As cores e a fotografia estão primorosas e muitas vezes parece um vídeo game em quadrinhos. Visualmente é um espetáculo mas sonoramente, às vezes funciona, às vezes não casa bem, como em Guardiões da Galáxia Vol.2, só que com uma potência canalizada em ‘Immigrant Song’ de Led Zeppelin.

Valquírias em uma das cenas mais lindas do filme

E a comédia?!

Vamos falar da comédia (gênero que sou fã de carteirinha) de Ragnarok: Humor de primeira linha. Tive a impressão que tivemos as cenas mais engraçadas de todo Universo Marvel e que não atrapalham ao meu ver, a condução da história. Claro, que se a produção levasse o caminho mais sombrio, de uma fábula medieval intergalática, teria um potencial gigantesco para isso e encostar em clássicos como Senhor dos Anéis, que chegou a vir na minha mente em certos momentos enquanto assistia. Porém, o risco de que fosse mais um Thor 1 ou 2, eles não queriam correr. Até por isso tive a sensação que vi pela primeira vez o Thor de Chris Hemsworth, pois ele se encaixa muito bem nesse estilo cômico meio Johnny Bravo, o charmoso atrapalhado que se mostrou em Vacation e em Caça-Fantasmas. Ah! Mark Ruffalo, tanto como Hulk como Dr. Banner, casaram perfeitamente com esse estilo.

 

ragnarok

Aqui tem vilÃ!

Ajoelhem-se e reverenciem Hela, a Deusa da Morte e talvez maior vilã/vilão do MCU. De Cate Blanchett eu não esperaria menos… Com uma classe e poder imensurável, traz um caos e combates bem enérgicos. Até eu fiquei com vontade de lutar com ela. Falando em ela, Tessa Thompson como Valquíria está bem demais e é peça importantíssima pra evolução dos personagens. Aliás, Heimdall e Odin também se apresentam bem e à altura dos demais. Tom Hiddleston se manteve naquela zona de segurança do Loki de sempre mas de novo rendeu excelentes cenas e expressões impagáveis.

Poderia tecer aqui maiores detalhes e elucidar a fraqueza das conexões da trama mas preciso destacar para mim o maior ponto forte do filme: Os Cameos e/ou as participações especiais. São as melhores que eu já vi em qualquer filme de herói. Praticamente todos que aparecem são carismáticos demais e não são inúteis. Surtur, Executor, Doutor Estranho (muito mais habilidoso… que ansiedade para vê-lo de novo em ação), Grão Mestre (fabulosamente paspalhão), Stan Lee (com sua participação mais direta da história) e o melhor de todos: Korg, interpretado pelo próprio diretor. Além de algumas surpresas e easter-eggs que vou deixar para vocês verem com os próprios olhos.

thor ragnarok korg

O carismático e ‘revolucionista’ Korg

Moral da Piada

Uma obra que não é irrelevante pro universo cinematográfico, sendo um importante elo com Vingadores e Guardiões da Galáxia, com os 2 maiores vilões Marvel, os melhores cameos, as maiores gargalhadas, grandes consequências, sem contar um Thor sem Mjolnir, mas com Trovão, duelando contra um Hulk Falante não tem como cravar como ‘ruim’, independente do seu gosto. A escolha da comédia como motor principal é discutível mas com o elenco e fator marketing para reencaixe de Thor e Hulk em Vingadores 3 caiu como uma luva. Na minha visão, é o melhor dos 3 com certeza, melhor da Marvel em 2017 e talvez a maior comédia blockbuster do ano, tanto que ‘thorindo’ até agora.

 Estados Unidos
2017 •  cor •  130 min
Direção Taika Waititi
Produção Kevin Feige
Produção executiva Victoria Alonso
Louis D’Esposito
Alan Fine
Stan Lee
Thomas M. Hammel
Brad Winderbaum
Roteiro Eric Pearson
História Craig Kyle
Christopher Yost
Stephany Folsom
Baseado em Thor
por Stan Lee
Larry Lieber
Jack Kirby
Elenco Chris Hemsworth
Tom Hiddleston
Cate Blanchett
Idris Elba
Tessa Thompson
Jeff Goldblum
Karl Urban
Mark Ruffalo
Anthony Hopkins
Gênero Ação
Aventura
Comédia
Fantasia
Ficção científica
Música Mark Mothersbaugh
Cinematografia Javier Aguirresarobe
Companhia(s) produtora(s) Marvel Studios
Distribuição Walt Disney Studios Motion Pictures
Lançamento Estados Unidos 3 de novembro de 2017
Brasil Portugal 26 de outubro de 2017
Idioma Inglês
Orçamento US$ 180 milhões[1]
Receita US$ 107.600.000[2]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.