https://observatoriodocinema.uol.com.br/filmes/2020/11/veja-os-erros-de-velozes-e-furiosos-que-fas-nunca-perceberam

Rob Cohen, diretor do primeiro filme de Velozes e Furiosos, pretendia ser o mais autêntico possível com os detalhes técnicos do filme. No entanto, de acordo com o diretor técnico do filme, Craig Lieberman, Cohen teria dito que “o filme não foi feito para atrair os fanáticos por carros. Foi feito para atrair o público que gosta de filmes de ação.”

Agora, o vídeo mais recente de Lieberman expõe alguns dos maiores erros técnicos do filme.

Lieberman ajudou a encontrar os carros, as peças e os figurantes para várias cenas. Na época, ele estava profundamente imerso no cenário das corridas de rua de importação e tinha boas conexões, o que beneficiou o Universal Studios.


Hoje em dia, ele é um YouTuber com uma paixão fervorosa não só pela franquia Velozes e Furiosos, mas também pela perfeição técnica. Ele já teve mais de 40 carros, incluindo um Supra, GT-R e Maxima, que atuou como protagonista no primeiro filme.

Por exemplo, um dos erros que Lieberman cobre é quando um caminhão segue um Supra com um para-choque branco. Ninguém reclamou até este momento, diz Lieberman, mas na verdade era um para-choque de um Miata, não um para-choque de Supra.

Erros que nunca foram notados

Como consultor técnico, Lieberman teve a chance de revisar o roteiro e fazer recomendações de mudanças, mas, como ele observa em seu vídeo, “dei conselhos; eles nem sempre aceitaram.”

O resultado é que algumas cenas não seriam viáveis ​​na vida real e algumas delas são apenas drama puro por diversão. Mas apenas os fãs de carros mais fervorosos notariam certos erros.

Por exemplo, na sequência de abertura durante um sequestro de caminhão, o Honda Civic principal tem uma asa traseira de dois níveis. Então você verá mais tarde na cena que ele tem uma única asa; o segundo aerofólio foi removido para evitar que o dublê se enroscasse nele.

Além disso, o mesmo Civic desliza sob um semirreboque como parte do plano, o que não seria possível na vida real. Para ajudar os espectadores a suspender a descrença, o caminhão foi feito sob medida para ficar a mais de 45 centímetros do solo.

São particularmente interessantes as explicações sobre o que o óxido nitroso faz e o que não faz – e a improbabilidade da explosão maciça do Eclipse Mitsubishi.

“Você não tem dois sistemas nitrosos em um bloco 428 Eclipse naturalmente aspirado com respiração ofegante”, zomba Lieberman no vídeo.

Se você prefere que a magia de Velozes e Furiosos seja uma imersão completa, não assista. Mas se ainda estiver curioso, abaixo está o vídeo de Lieberman explicando tudo.

via Observatório do Cinema

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.